Gastrite e úlcera: tudo o que você precisa saber

7 minutos para ler

Você sofre com queimação ou dores no estômago, sente náuseas e mal-estar com frequência? Cuidado, isso pode ser um sinal de gastrite e úlcera!

Muitas pessoas possuem uma dor persistente na região epigástrica (localizada sobre o estômago) que piora ou melhora dependendo da alimentação e do estado emocional. Geralmente, essa condição pode estar associada à gastrite e à úlcera péptica.

Embora possam manifestar sintomas iguais, a gastrite e a úlcera péptica apresentam características e tratamentos diferentes. Estar atento a esses detalhes e seguir um acompanhamento médico é muito importante para evitar possíveis complicações e a gravidade do problema.

Quer saber mais sobre gastrite e úlcera? Acompanhe o post para entender mais sobre essas duas condições e como tratá-las para ter mais saúde e qualidade de vida.

Gastrite

A gastrite é uma inflamação que ocorre na parede mucosa que reveste o estômago. O processo inflamatório pode ocorrer quando os mecanismos que defendem a parede interna do estômago não estão funcionando adequadamente ou quando há o excesso de ácido de gástrico que ocasionam a irritação no tecido.

A gastrite pode ocorrer por diversos fatores como:

  • uso prolongado de medicamentos;
  • infecção bacteriana;
  • abuso de álcool e cigarros;
  • refluxo da bile estomacal;
  • estresse e traumas emocionais;
  • intoxicações alimentares.

Os principais sintomas da gastrite incluem:

  • azia;
  • perda de apetite;
  • náuseas;
  • dor abdominal;
  • indigestão.

A gastrite pode ser aguda, quando tem desenvolvimento rápido (geralmente causada por álcool e intoxicações alimentares), ou crônica, com duração de meses a anos. Ambas possuem os mesmos tratamentos.

Úlcera péptica

As úlceras pépticas são formadas quando o ácido gástrico agride tanto os tecidos de modo que provoca feridas, como se fosse aftas no estômago. Dentre as principais causas do surgimento dessas feridas, estão o uso abusivo de anti-inflamatórios e infecção pela bactéria Helicobacter pylori.

Essas erosões podem ocorrer tanto no estômago e esôfago como também no duodeno. Quando são muito profundas, as úlceras podem lesar os vasos sanguíneos provocando sangramento. Os principais sintomas da úlcera péptica são:

  • dor intensa no abdômen;
  • perda de peso;
  • náuseas e vômitos;
  • sangramento nas fezes (casos mais graves);
  • anemia ferropriva sem causa aparente.

As lesões ulceradas, por serem extremamente semelhantes às lesões do câncer de estômago, sempre devem ser biopsiadas por endoscopia digestiva alta. Isso é de extrema importância para descartar a malignidade da lesão.

Fatores de risco de gastrite e úlcera

Dentre os principais fatores de risco da gastrite e úlcera está a bactéria Helicobacter pylori. Essa bactéria se prolifera nos tecidos causando muita irritação e dor. O tratamento para erradicação desse microrganismo é essencial para alívio dos sintomas.

O uso abusivo de anti-inflamatórios e aspirina também estão entre os grandes causadores de gastrites e úlceras, pois eles atuam diminuindo a barreira de proteção do estômago, deixando com que o ácido lesione os tecidos.

Contudo, a indústria farmacêutica já vem tratando esse problema e fabricando medicamentos menos agressivos ao estômago. Esses medicamentos são chamados de inibidores da COX-2, que além da efetividade anti-inflamatória, causam menos gastrites e úlceras. No entanto, para quem já sofre com úlcera, o COX-2 pode ser um problema, pois ele impede sua cicatrização.

Outros fatores também podem ser considerados de risco, como o abuso de álcool, consumo excessivo de alimentos gordurosos  e altos níveis de estresse. Ou seja, é sempre bom manter uma dieta e hábitos saudáveis para alívio dos sintomas.

Diagnóstico

O diagnóstico é realizado por meio do histórico clínico do paciente e de uma endoscopia digestiva alta (EDA). Utilizando a EDA, é possível visualizar a lesão, realizar biópsia e, se houver sangramento, promover tratamento.

Além disso, a biópsia pode indicar a presença de H.pylori. Quando confirmada, é necessário tratamento exclusivo para a bactéria, evitando, assim, recidivas das duas doenças.

Geralmente, esses laudos costumam ser confusos e apresentam nomes estranhos que podem deixar o paciente em dúvida. A endoscopia digestiva pode identificar três tipos de gastrites, são elas:

  • gastrite antral: quando a inflamação está localizada na parte final do estomagado;
  • gastrite enantematosa antral: quando há a inflamação e ferida na mucosa, também localizada na região antral, ou seja, a parte de final do estômago;
  • pangastrite: este tipo de gastrite acontece quando a inflamação acomete grande parte do estômago.

Tratamento

O tratamento para gastrite e úlcera é realizado com o uso de inibidores da bomba de prótons. O nome pode até parecer estranho a princípio, mas saiba que estamos falando dos famosos omeprazol e pantoprazol. Eles são medicamentos que vão diminuir a liberação de ácido no estômago e os seus efeitos sobre a mucosa.

Além disso, podem ser prescritos antibióticos para tratamento do H.pylori e antiácidos para alívio dos sintomas, como o leite de magnésio. Se o acometimento da úlcera for muito grave ou com complicações severas, pode ser indicada cirurgia para sua remoção.

Gastrite e úlcera são duas patologias que incomodam bastante, mas apresentam tratamentos simples que devolvem a qualidade de vida de quem é acometido. É muito importante que você sempre consulte seu médico na hora de realizar o diagnóstico e o tratamento. Nunca se automedique.

Dicas para evitar a gastrite e úlcera

Algumas atitudes contribuem para manter o estômago e o sistema digestivo saudáveis. A seguir, confira algumas dicas para ficar livre de gastrites e úlceras.

1. Alimente-se sem exageros

Evite exagerar na hora das refeições. Especialistas recomendam comer pequenas porções a cada 3 horas ajuda a aumentar o fluxo sanguíneo e aumentar a cicatrização das paredes do estômago, além de manter o controle do peso.

2. Faça refeições leves à noite

À noite, opte por refeições leves e alimenta-se, pelo menos, três horas antes de dormir. Assim, há tempo para fazer a digestão da maneira correta, evitando refluxos gástricos durante a noite de sono.

3. Beba bastante água

A água ajuda a eliminar as impurezas do organismo e a controlar os sintomas da gastrite e úlcera. De acordo com especialista, para manter o corpo hidratado e o bom funcionamento dos órgãos, é recomendada a quantidade de 2 litros de água por dia para um adulto.

4. Evite estressar-se

O nível elevado de estresse enfraquece a função imunológica e aumenta o surgimento de gastrite e úlcera. Por isso, pratique atividades físicas e de concentração para aliviar o estresse do dia a dia e controlar a ansiedade. Além de evitar problemas estomacais, isso também contribui para sua saúde de modo geral.

5. Fique longe de cigarro

O tabagismo, além de ser prejudicial à saúde, contribui para o desenvolvimento de úlceras, gastrites e problemas estomacais. Isso porque, o vício retarda a cicatrização da mucosa gástrica, aumentando as chances de inflamações e feridas.

6. Evite alimentos ácidos e gordurosos

Alguns alimentos contribuem para o surgimento de gastrites e úlceras. Esse é o caso do leite, café, refrigerantes e alimentos picantes, que possuem alto índice de acidez, além de estimularem a produção exagerada de ácidos estomacais, também dificultam a cicatrização de mucosas no estômago.

Frituras e alimentos gordurosos também contribuem para o surgimento de problemas estomacais, pois o organismo é forçado a aumentar nível de ácidos gástricos para digeri-los. Por isso, inclua no seu cardápio alimentos naturais e saudáveis.

Portanto, comece agora mesmo a cuidar de sua saúde. Modificando seus hábitos e promovendo um estilo de vida mais saudável, além de prevenir gastrite e úlcera, você terá mais qualidade vida, bem-estar e longevidade.

E aí, gostou de aprender mais sobre gastrite e úlcera? Quer receber mais conteúdos sobre bem-estar, alimentação e saúde, assine agora a nossa newsletter.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Share This