Você sabia que muitas pessoas têm intolerância a algumas substâncias e nem desconfiam? A suplementação enzimática é uma opção de tratamento para intolerâncias alimentares e, a seguir, explicaremos tudo o que você precisa saber sobre esse novo recurso. Continue a leitura do post que preparamos e saiba mais!

O que são as intolerâncias alimentares?

Depois de comer um certo alimento, se você sente desconforto, gases, diarreia, dor de cabeça, inchaço abdominal ou dificuldade para respirar? Pode ser que seu corpo não tenha a capacidade de digeri-lo corretamente.

Isso caracteriza uma intolerância alimentar, ou seja, seu corpo não tem ou produz pouco a enzima necessária para digerir aquela substância. É como se a enzima fosse a chave e o alimento, um carro. Para tirá-lo do caminho, é necessário que a chave se encaixe perfeitamente.

O que acontece na maioria das intolerâncias é que essa chave não se encaixa direito, ou até mesmo, não existe. Então o carro fica ali, parado no meio da rua; solta gases pelo escapamento e causa um trânsito insuportável.

O mesmo acontece em seu intestino quando ingere algo que seu corpo não tolera e não tem as enzimas digestivas corretas que podem tirá-lo do caminho: causa transtornos.

Quais os tipos mais comuns de intolerância?

Lactose

A deficiência na enzima lactase, responsável por quebrar o principal carboidrato do leite, pode causar sintomas como desconforto abdominal, gases, diarreia, cólicas, aumento de secreção no nariz e dor de cabeça.

Glúten

Quando essa proteína presente no trigo, centeio, cevada e malte é reconhecida como inimiga, o organismo prepara um exército contra ela e ativa o sistema imunológico. Isso pode causar sintomas como diarreia, problemas digestivos, anemia e, em alguns casos, levar ao câncer de intestino.

Conservantes e corantes

O corpo de quem não tolera essas substâncias também monta uma defesa contra eles e pode causar diarreia, cólicas e gases.

Quais as causas das intolerâncias alimentares?

Intolerâncias alimentares são causadas, principalmente, por alterações genéticas. Isso explica o fato de poder ser passada para os filhos. Contudo, também podem ser consequência de uma cirurgia bariátrica, efeito colateral de medicamentos, alterações no sistema digestivo ou resultado de uma doença infecciosa.

O que são as enzimas digestivas?

Como dito, são como as chaves para uma boa digestão. As enzimas são específicas, por isso, cada uma delas age para digerir um tipo de substância, por exemplo a lactase é a enzima responsável pela quebra da lactose.

Com a evolução farmacêutica é possível encontrar algumas dessas enzimas em forma de saches ou cápsulas. E devem se comportar como se tivessem sido produzidas pelo seu próprio corpo.

Como a suplementação enzimática pode ajudar no tratamento de intolerâncias alimentares?

A suplementação enzimática já é amplamente utilizada na intolerância contra a lactose. Essas enzimas garantem que as proteínas ou substâncias que gerariam o desconforto sejam devidamente digeridas e eliminadas, como se não houvesse intolerância nenhuma.

Também existem medicamentos para a intolerância ao glúten e às diversas outras proteínas. É possível encontrar no mercado misturas de diferentes enzimas para combater variados tipos de intolerância.

É muito importante consultar um médico a fim de avaliar a intensidade e origem de sua intolerância e dosar corretamente a enzima a ser utilizada. É possível desenvolver uma suplementação enzimática adequada em farmácias de manipulação, caso não exista um medicamento pronto para o seu caso.

Percebe como a evolução da farmácia pode facilitar nossas vidas? A suplementação enzimática é uma realidade e funciona, mas lembre-se de consultar um médico antes de se automedicar.

Se você gostou deste post e deseja receber novidades, não esqueça de assinar nossa newsletter para receber nossas novidades em primeira mão!