Dados do Ministério da Saúde revelam que mais de 50% da população brasileira está acima do peso.

Entre as crianças, no mundo todo, esse problema se agrava ano após ano e causa alerta entre especialistas. Um dos fatores que mais preocupa é a relação entre obesidade e sedentarismo.

Porém, muitas são as dúvidas sobre essas questões. E mais do que acreditar que o tratamento consiste apenas na menor ingestão calórica, aliada ao maior gasto de calorias, a obesidade é uma doença séria e causada por diversos motivos.

Hoje, vamos entender mais sobre a questão de obesidade e sedentarismo. Acompanhe!

1. O que é obesidade?

De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, a obesidade é uma doença que se caracteriza pelo excesso de gordura corporal. O diagnóstico só pode ser dado com o cálculo do índice de massa corporal (IMC). O indivíduo obeso tem o IMC acima de 30.

2. Por que a obesidade não para de crescer?

A resposta pode ser dada por conta da relação que o homem sempre teve com a comida.

Antigamente, armazenar alimentos era impossível e caçá-los demandava tempo e muita disposição. Com isso, o corpo humano aprendeu a estocar gordura para gastá-la como fonte de energia sempre que a quantidade de alimentos fosse insuficiente.

Atualmente, guardar comida ficou mais fácil, e a possibilidade de ter estoques e encontrar restaurantes aumentou o consumo de alimentos, em especial os altamente calóricos, que, além de acessíveis, são muito apetitosos.  

O problema é que, ao mesmo tempo em que ganhamos facilidade para nos alimentar, ganhamos também muitos quilos.

3. Qual a relação entre obesidade e sedentarismo?

Muitos de nós comemos mais do que gastamos. Isso não é novidade. No entanto, a relação entre obesidade e sedentarismo é tão intrínseca que, muitas vezes, falamos de um, pensando no outro.

Atualmente, as pessoas andam cada vez menos. Prova disso é o aumento na frota de carros e as diversas linhas que interligam as avenidas e ruas das cidades.

A praticidade faz com que as pessoas deixem de praticar atividades básicas, como caminhar, correr e até mesmo brincar. Videogames ganharam o lugar dos parques, assim como os shoppings se transformaram na opção preferida de “passeio”.

O problema é que, em consequência desse sedentarismo, aparecem diversas doenças, sendo a obesidade a principal delas, acompanhada da hipertensão, de problemas cardiovasculares e do estresse.

4. Qual a importância de mudar a alimentação?

A alimentação equilibrada representa grande parte do sucesso do emagrecimento. Por isso, o ideal é fugir das dietas restritivas e aprender a comer, a famosa reeducação alimentar.

Dessa maneira, você passa a ingerir alimentos que fazem bem à sua saúde, e não aqueles que têm calorias vazias. 

Comer melhor também diminui os riscos de apresentar altos índices de colesterol ruim, diabetes do tipo 2 e hipertensão. 

5. Em que casos é recomendada a cirurgia bariátrica?

A cirurgia só é indicada para pessoas que apresentem IMC superior a 40, ou, então, maior que 35, mas acompanhado de diabetes, hipertensão e apneia do sono. Entre as técnicas utilizadas, estão banda gástrica, gastroectomia vertical, derivação biliopancreática e bypass gástrico.

6. Tratamento para obesidade com medicação funciona?

Sim, quando o paciente não consegue perder peso com atividade e dieta, é preciso oferecer uma ajuda que o incentive.

O ideal é que os medicamentos sejam fórmulas com combinações que combatam a ansiedade, ajudem na absorção de nutrientes, acelerem o metabolismo e deem disposição.

Além disso, os remédios devem ser trocados com frequência, já que o organismo não pode se acostumar com os efeitos.

7. Como implementar a atividade física no dia a dia?

O jeito mais simples de sair do sedentarismo é adotar exercícios que nos deem prazer.

Não devemos nos forçar a fazer qualquer atividade apenas porque ela emagrece: existem diversas modalidades que podem ser praticadas, como lutas, natação e hidroginástica, dança, corrida, caminhada, musculação, pilates, yoga, futebol, entre tantas outras.

O importante é escolher uma atividade, começar aos poucos, acostumando o corpo à nova rotina, e aproveitar os benefícios.

Agora que você já tirou suas dúvidas sobre obesidade e sedentarismo, conte ṕra gente, nos comentários, o que te move a perder peso e quais as dicas do blog que mais te ajudaram!